Pesquise sem acentos

Pesquisa personalizada

Lampião e seu bando morrem degolados - foto

Veja mais atividades sobre Luiz Gonzaga clicando aqui





Clique na foto para ampliar.


Lampião morto com seu bando e Maria Bonita

Texto do Professor Luciano Urpia

LAMPIÃO E SEUS CANGACEIROS DEGOLADOS

DATA DA FOTO: 1938.
FOTÓGRAFO: Desconhecido.


O bando de Lampião  estava acampado na fazenda Angicos em 27 de julho de 1938, situana no sertão de sergipe. Era um esconderijo tido como altamente seguro para o bando. Era uma noite muito chuvosa e todos estavam acampados. Por volta de 5:15h do dia 28 de julho do mesmo ano, um grupo de policiais (volante) portando metralhadoras portáteis, chegou ao local e começou a disparar rajadas de bala. A indicação de onde os cangaceiros estavam foi uma traição que até hoje se desconhece o autor. O ataque durou mais ou menos 20 minutos. Os disparos de metralhadoras foram feitos pelo tenente João Bezerra e o sargento Aniceto Rodrigues da Silva.
Dos trinta e quatro cangaceiros presentes, onze morreram ali mesmo. Lampião foi um dos primeiros a morrer (degolaram ele). Maria Bonita estava gravemente ferida e foi degolada ainda com vida. O mesmo ocorreu com Quinta-Feira, Mergulhão (os dois também tiveram suas cabeças arrancadas em vida), Luis Pedro, Elétrico, Enedina, Moeda, Alecrim, Colchete e Macela. Um dos policiais, demonstrando ódio a Lampião, desfere um golpe de coronha de fuzil na sua cabeça, deformando-a; este detalhe contribuiu para difundir a lenda de que Lampião não havia sido morto, e escapara da emboscada, tal foi a modificação causada na fisionomia do cangaceiro.
DESCRIÇÃO DA FOTO (de cima para baixo; da esquerda para a direita)

1. Diferente, 2."Não identificado", 3. Cajarana, 4. Medina, 5. Caixa de Fósforo, 6. Elétrico, 7. Mergulhão, 8. Luís Pedro, 9. Maria Bonita, 10. Quinta-Feira, 11. Lampião.


***

Como tudo aconteceu

                                                                   Lampião: uma vida, uma morte

                                                                      Autor do texto: Marcelino Mariz

Virgolino da Silva Ferreira, o Lampião, foi assassinado em 28 de julho de 1938, na Fazenda Angicos, em pleno sertão do Estado de Sergipe.



No cangaço, os casais mais conhecidos e depois destacados pela mídia eram Lampião e Maria Bonita (pelas fotos, nunca achei), Corisco e Dadá, Zé Sereno e Sila.
Sila " Ida Ribeiro de Souza - uma das protagonistas da história estava presente no instante da morte do cangaceiro comandante e de parte de seus seguidores.

As páginas 218 e 219 do livro "Lampião, nem herói nem bandido" de Anildomá Willans de Sousa, por sinal, conterrâneo do apelidado "Rei do Cangaço", ambos nasceram em Vila Bela, atual Serra Talhada, trazem o seguinte depoimento de Sila, em linguagem própria:
....
"Eram umas cinco horas da manhã, mais ou menos, quando José (Sereno) desceu pro rancho de Lampião. Como sempre, ele rezava o ofício de Nossa Senhora, mas eu não desci, eu fiquei. Naquilo que eu estava deitada escutei os tiros. Eu peguei os bornais e sai. Não deu pra pegar as sandálias, e eu sai descalça e subi. Era tanto tiro que a gente não enxergava. Era facheiro, era xiquexique, mandacaru, tudo caindo em cima. Naquilo eu peguei o cantil para tomar água, como nós tínhamos um cantil de água e outro de açúcar, eu peguei o de açúcar e secou mais minha garganta. Nisso tinha uma pedra grande na frente e eu me deitei atrás da pedra. Dou outro lado tinha uns macacos (policiais), que diziam; "Vem prá cá, vem prá cá". Eu não sabia se era cangaceiro ou macaco e estava esperando a morte, quando vi Criança passar e ele disse: "Sila vem prá cá". Eu desci me arrastando, sem ficar em pé, quando cheguei perto de Criança, me levantei. Enedina vinha atrás de mim e ela foi baleada na cabeça e os miolos voou tudo nas minhas costas. Olhei prá trás e vi que era Enedina, mas continuei, pois já tinha mais jeito. Na frente, Candeeiro foi baleado no braço e disse: "Sila to baleado". Eu peguei o fuzil dele e falei: "Vamos, levanta". Ele levantou-se e eu peguei o fuzil dele e sai com o fuzil dele. Eu Criança, Dulce e Candeeiro. Quando saímos fora, o Criança falou: "Dessa turma acho que só escapou nós. Desse jeito acho que não escapou mais ninguém.

Naquilo nós ouvimos tiros de parabéllum (arma de fogo). Era o José (Sereno). O Criança disse: "Sereno atirou, oi ele saiu. Logo em seguida o José (Sereno) encontrou-se com a gente e falou: "Lampião morreu, o Luiz Pedro Morreu. Maria (Bonita) morreu. Acho que só saiu nós mesmo.

Na página 221, o volante (policial ou macaco), José Panta de Godoy, narrou os fatos no próprio local dos acontecimentos, - disse ele: "Cheguei perto de cangaceiro que tava caído e dei um tiro na cabeça dele, que até levantou. Santo (volante ou macaco), vinha chegando e disse: "Não esbagaça não que esse é Lampião". Aí também arriei. Santo cortou a cabeça de Lampião e depois me emprestou o facão que eu não tinha, prá eu cortar a cabeça de Maria Bonita, de Marcela e de Alecrim.

Em várias vilas e cidades, dezenas de pessoas reconheceram Lampião morto, - assim como os demais cangaceiros com as cabeças separadas do corpo a golpes de facão.

Após as mortes, as cabeças dos cangaceiros foram salgadas e conduzidas para o IML de Macéio - AL, mas antes foram expostas em várias cidades. Depois as levaram para a Faculdade de Odontologia da UFBA, onde ficaram armazenadas por seis anos, e posteriormente para o Museu Nina Rodrigues de Salvador - que por lá ficaram expostas por longos anos. Nesse "lenga lenga", finalmente as cabeças foram sepultadas em 24 de maio de 1965, por pressão da Igreja Católica e de um movimento universitário da Universidade de Brasília.

Veja mais atividades sobre Luiz Gonzaga clicando aqui




4 comentários

  1. eu queria saber porque depois de morto cortaram a cabeça de lampião

    ResponderExcluir
  2. por que depois de morto cortaram a cabeça de lampião

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para servir de exemplo aos demais bandidos e grupos que se formavam no sertão, para que não repetissem o que Virgolino fez.

      Excluir
  3. Acho que deveria ter colocado executado envez de assassinado... Pois os assassinos eram os cangaceiros.

    ResponderExcluir

Deixe um comentário! Sua opinião é importante.

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Tradutor

ESPAÇO EDUCAR NO FACEBOOK

CURSOS ONLINE

ALFABETIZAÇÃO ANIMAÇÃO E RECREAÇÃO BULLYING COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA DISTÚRBIOS APRENDIZAGEM ED. AMBIENTAL EJA ED. ESPECIAL REDAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO ESCOLAR RACIOCÍNIO LÓGICO MEMORIZAÇÃO PLANEJAMENTO DE ENSINO VER MAIS CURSOS BERÇARISTA INGLÊS BRINQUEDOTECA CONTADORES DE HISTÓRIAS GASTRONOMIA INFORMÁTICA NUTRIÇÃO INFANTIL

Novidades por e-mail! INSCREVA-SE

Cadastre seu e-mail para receber novidades!

Ao receber o primeiro e-mail será preciso clicar no link de confirmação.

POSTS RECENTES

MAIS LIDAS

AMIGOS DO ESPAÇO EDUCAR

DIVULGUE...

Espaço Educar - Um espaço para quem ama educação

DICAS DE RECICLAGEM!


Caixinha porta-jóias ou porta-treco feita com reciclagem de cd usado, caixa de leite, colheres, materiais reciclados!







ARQUIVO